Batcave — Teatralidade, exuberância e experimentação

Specimen

BATCAVE

Teatralidade, exuberância e experimentação

Tradução de resumo do Capítulo 3 do livro Carnet Noirs, de autoria coletiva

Enquanto uma segunda onda punk, mais brutal que a primeira, arrebenda sobre a Europa (Exploited, Crass, Discharge), uma casa noturna diferente das demais abre suas portas em Londres no final de 1982.  A Batcave atrai um público que procura novas sensações e oferece aos artistas loucos demais para as outra casas um pequeno palco onde se apresentar, numa ambientação kitsch e delirante, com dançarindas em gaiolas e DJs fazendo dançar uma clientela multicolorida sob as influências do glam rock, do punk, do disco e do funk.  A Batcave se tornou então uma festa que se realizava em diversos lugares, antes de terminar num bar logo que a cena gótico deixou de se interessar por um público limitado.

Para definir o estilo batcave, poder-se-ia evocar um rock tenso que herdou do punk uma loucura e um lado imprevisível, e cujo gosto pela teatralidade muitas vezes chega à experimentação pura e simples, tanto do ponto de vista musical como do cênico.  O vocal é geralmente bastante agudo, o visual é propositadamente exuberante, frequentemente inspirado no cinema assustador, com uma queda para a provocação sexual e a androginia.  Os sintetizadores perfeitamente integrados a uma instrumentação de rock para conferir um clima estranho e de sons dissonantes a uma música torturante mas frequentemente melódica.

+++++

Veja aqui a banda Specimen