A Ceia em Emaús — Caravaggio

“A Ceia em Emaús”, de Caravaggio. Não se compreenderia a História da Pintura (ou compreender-se-ia mal) sem a obra referencial de Caravaggio.

Artista: Caravaggio
Título: A Ceia em Emaús
Suporte: Lona
Criação: 1601
Local: National Gallery, Londre
s

Fonte: Tornado 2 Agosto, 2020

O pintor bolonhês Albani terá dito que a pintura de Caravaggio era a destruição dela própria, longe de perceber, o pobre homem, que era contemporâneo de uma Revolução pictórica e não deu por ela.

A genialidade do tratamento da luz (chiaroscuro), que no caso mais parece um trabalho de luminotecnia teatral, tal a incidência luminosa de diferentes tonalidades, centra o observador no essencial. Mas, igualmente, pormenoriza outros aspectos, como seja o rasgão da manga do homem da esquerda, que permite um foco iluminado da camisa, que harmoniza, julgo eu, um pouco mais esta afirmação técnica. Ou a mão do homem da direita que quase vai sair do quadro.

O simbolismo está bem vincado pela vieira que o mesmo homem ostenta no peito, indicando tratar-se de um peregrino. A romã virtuosa sobre o pecado, a modernidade da representação de Cristo de cara lisa anunciando um novo tempo (que afinal falharia…).

Não se compreenderia a História da Pintura (ou compreender-se-ia mal) sem a obra referencial de Caravaggio.