Cold Wave — As músicas frias e intelectualizadas dos anos 80

COLD WAVE

As músicas frias e intelectualizadas dos anos 80

Resumo traduzido do Capítulo 2 do livro Carnet Noirs, de grupo de autores

 

Enquanto o punk e a new-wave se comercializavam exageradamente, enquanto o gótico entrava num gueto estilizado e excessivo, um terceiro estilo se desenvolveu no início dos anos 80.

Inspirado no grandioso sucesso das banda The Cure, Joy Division e New Order, nasce por toda a Europa uma grande quantidade de bandas, de carreira geralmente curta de de discografias irregulares.  É essencialmente na Inglaterra e na França que este gênero intimista e autero encontra o seu melhor público.

A “cold wave” é uma música voluntariamente emocional, que evoca a triteza, a melancolia, o “mal-viver” [ aspas acrescidas ].   Porém, mas fiéis aos românticos góticos que aos gritantes punks, a música cold wave conservou uma certa moderação em suas expressões.  O seu estetismo  é sempre austero, minimalista, compraz-se com as imagens de árvores mortas e de paisagens sóbrias.

O Cold Wave logo pareceu aos góticos “puristas e rígidos” [ provavelmente esta a idéia passada pela expressão “purs e durs” ] dos anos 80 um estilo musical doce, leve e burguês.  Um julgamento prematuro que infelizmente levou tempo para ser abandonado.  O Cold Wave é um gênero bem mais sutil e delicado que o Batcave ou o Industrial.  Mais conformista, decerto, mas não desprovido de uma poesia tocante de uma atemporalidade de o faz paracer, hoje, bem menos datado que certos clássicos góticos.